COZINHA DOS PAÍSES DE LINGUA PORTUGUESA

No período colonial, fizeram-se vários ensaios de africanizar a cozinha portuguesa.Em Moçambique, por exemplo, o revitalizar do património culinário contra a adulteração daquela cozinha estranha à cultura e aos moçambicanos, foi timidamente ensaiado nos primeiros anos pós independência.Algumas das receitas divulgadas, então, eram representativas da verdadeira e genuina cozinha moçambicana.A mucapata, o mucuane, a mathapa, o tocossado o frango à zambeziana, o caril de amendoim, são alguns dos pratos a que me refiro e que são subscritos por moçambicanas bem conhecidas na arte de cozinhar.É impossível falar da cozinha moçambicana, omitindo a colonização e a consequente repressão cultural . Disto falaremos, oportunamente.
Entretanto, com a descolonização, todos e cada um dos países pode, também aqui, fazer a sua própria história.
Regressamos ao passado gastronómico, à cozinha tradicional, mergulharemos nas raízes, passaremos pelo presente, questionaremos opções e espreitamos novas influências.
Assim, apostamos na divulgação do que de mais representativo, existe, na cozinha dos países de língua portuguesa.
Gostariamos de contar com a colaboração de todos os que por aqui vão passar.


sexta-feira, 28 de março de 2008

FEIJOADA À MODA DO IBO


Ingredientes:
350g de feijão nhemba ; 2cebolas; 4 dentes de alho; 2 colheres de sopa de óleo; sal; 1 colher de sopa de especiarias( açafrão; colorau; coentros; cominhos; cardomomo; cravinhos); vinho branco q.b.; 1 galinha; 500g de camarão fresco; o leite extraído de um coco ralado
Preparação:
1 – Coze-se o feijão com uma cebola com cravinhos, 2 paus de canela e um fio de azeite.
2 – Faz-se um refogado com a cebola picada grosseiramente, e alho pisado em pouco óleo. Juntam-se as especiarias (açafrão das índias, colorau, cardomomo , coentro, cominho e malagueta seca em pó).
3 – Depois de apurado, junta-se a galinha cortada aos bocados e previamente temperada com uma pasta de alho, sal e limão.Deixa-se corar um pouco. Tapa-se o tacho, adiciona-se um pouco de vinho e deixa-se cozer.
4 – Quando a galinha estiver quase pronta, junta-se o feijão e o camarão descascado e deixa-se ferver uns minutos.
Mistura-se o leite de coco, vai-se mexendo e deixa-se levantar fervura.
5 - Pode servir-se tal qual ou acompanhado de arroz branco ou com chima de farinha de arroz, mandioca ou milho
Nota: há quem coza um chouriço de carne de vaca ou de carneiro com o feijão
Para recordar o feijão nhemba, clik aqui

7 comentários:

micas disse...

Hum... esta receita é para exprimentar logo que os meus afazeres profissionais me derem um tempinho....mas como não conheço este tipo de feijão fico à espera da sua sugestão, sobre qual o melhor feijão para o substituir.

Ah! uma notinha só.Fique certo que o leio todos os dias...

micas disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blogue.
Agry White disse...

Tomei a liberdade de eliminar o comentário que era o duplicado do primeiro.
Em relação ao nhemba ou feijão landim ele muito semelhante ao feijão frade. Vivendo em Lisboa, é muito provável que consiga arranjar este feijão numa daquelas lojas do Mercado Da Ribeira e que estão bem abastecidas de produtos para cozinha africana (quiabos, dendém, milho coxido, etc.)
Se não conseguir, utilize feijão catarino.

micas disse...

Obrigada pela sua sugestão. Embora fora de Lisboa tentarei encontrar este feijão.

Aproveito para lhe pedir desculpas pela duplicação do comentário. Cocuanisse, que poderei fazer?

Agry White disse...

Cocuanisse? Nem pensar. Não tenha pressa.

micas disse...

Ok! não serei ainda cocuana e nem pressa tenho para chegar a esse patamar da sabedoria, mas obrigada.

Desculpe a ousadia, mas como quem não chora não....aqui estou eu a meter uma cunha para que quando possível, post aqui a receita de caranguejos à Sofala.

Eu sei que não encontrarei aqui os ditos, mas...

um abraço

Agry White disse...

Os seus pedidos são ordens. Irei ser breve, fique tranquila.
Outro abraço