COZINHA DOS PAÍSES DE LINGUA PORTUGUESA

No período colonial, fizeram-se vários ensaios de africanizar a cozinha portuguesa.Em Moçambique, por exemplo, o revitalizar do património culinário contra a adulteração daquela cozinha estranha à cultura e aos moçambicanos, foi timidamente ensaiado nos primeiros anos pós independência.Algumas das receitas divulgadas, então, eram representativas da verdadeira e genuina cozinha moçambicana.A mucapata, o mucuane, a mathapa, o tocossado o frango à zambeziana, o caril de amendoim, são alguns dos pratos a que me refiro e que são subscritos por moçambicanas bem conhecidas na arte de cozinhar.É impossível falar da cozinha moçambicana, omitindo a colonização e a consequente repressão cultural . Disto falaremos, oportunamente.
Entretanto, com a descolonização, todos e cada um dos países pode, também aqui, fazer a sua própria história.
Regressamos ao passado gastronómico, à cozinha tradicional, mergulharemos nas raízes, passaremos pelo presente, questionaremos opções e espreitamos novas influências.
Assim, apostamos na divulgação do que de mais representativo, existe, na cozinha dos países de língua portuguesa.
Gostariamos de contar com a colaboração de todos os que por aqui vão passar.


segunda-feira, 16 de março de 2009

ARROZ PILAF


Ingredientes:
1 medida e meia de arroz basmáti; o dobro de caldo de galinha; 1 cebola picada 1c. de café de cominhos; 1,5 c. de chá de açafrão-das-índias; amêndoas laminadas, q.b.; sal e pimenta, q.b.; manteiga q.b.
Preparação:
1 - Aloure, previamente, as amêndoas, em manteiga
2 – Num pouco de manteiga, aloure a cebola picada, adicione ao arroz e refogue até ficar transparente.
3 – Junte o caldo de galinha, o açafrão, os cominhos, acanela e as amêndoas e tempere com sal. Mexe-se, deixa-se levantar fervura e tapa-se, ficando a fervinhar devagarinho durante um quarto de hora sempre tapado
4 – Decora-se com paus de canela e serve-se, quente

3 comentários:

Seti@wan Dirgantara disse...

Hello,... nice to visit here

Rui disse...

arroz pilaf verdadeiro é feito no forno. Quando se adiciona o caldo vai ao forno uns 12min tapado.

Agry White disse...

Ao visitante Rui
Respeito, com toda a naturalidade, o seu direito a ter opinião, ainda que eu discorde de "certezas absolutas". Desculpe-me mas aqui, como em quase tudo na vida,prefiro não ser nem redutor, nem fundamentalista.A cozinha tem regras,tem história, tem técnicas mas não é uma ciência exacta. A cozinha estática e sem criatividade perde, na minha opinião, todo o encanto